segunda-feira, junho 23, 2008

"Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara."

Ontem terminei de ler o "Ensaio sobre a cegueira". Demorei duas semanas, exactamente 14 dias (sim, porque duas semanas - contem como quiserem - não têm mais do que 14 dias!). Como ando em altura de exames, não podia ler ao ritmo que desejava, ia lendo quando dava... Porém, quase todos os dias de manhã, o ritual se repetia: o despertador tocava às 9 ou 9h15, mas só me levantava depois das 10h... Levava o livro para a casa de banho e antes de entrar no banho lia sempre, pelo menos, um capítulo. O tempo era pouco, o estudo andava atrasado, mas mesmo assim lá ficava eu a ler até chegar ao fim daquele capítulo para pousar o livro.

Comecei por querer ler este livro quando soube que estava em início de produção a adaptação cinematográfica do mesmo. A curiosidade aumentou, confesso, ao saber que se tratava de uma produção hollywoodesca!

Aqui fica o trailer!



Adorei o livro e estou com vontade de ler mais Saramago (ainda ontem comecei a ler "As intermitências da morte"), no entanto, o seu modo ímpar de escrever não é o que mais me fascina. É a sua fria, mas ao mesmo tempo humana e directa forma de pintar aqueles quadros que tanto perturbam quem está tão habituado à vida que naturalmente leva. "Ensaio sobre a cegueira" não é um livro que se leia procurando desvendar um mistério, ou em que se torça para que um casal apaixonado fique junto no final, ou do qual se pretenda tirar uma conhecimento específico, uma aprendizagem... Não é nada disto, e é tudo isto ao mesmo tempo! Inevitavelmente começamos a buscar nas palavras de Saramago a resposta ao que é de verdade a essência humana, até que ponto seremos capazes de chegar numa situação tão adversa como a que povoa o país (imaginário) de Saramago!

Aconselho!

P.S. Sabem o que disse José Saramago ao realizador Fernando Meirelles depois de terem assistido à estreia do filme? "Estou tão feliz por ter visto este filme, como quando acabei de escrever o livro!"... Só aumentou ainda mais a minha curiosidade! ;)

Até logo...
Leia mais...

quinta-feira, junho 19, 2008

"The first time I saw your face"

Da primeira vez que te vi,
Não foi um tremor, não foi um arrepio,
Não foi tal coisa o que senti.
Não foi um aperto, não foi dor de certo...
Não foi medo, foi ansiedade. Curiosidade...

Não cruzaste os teus olhos com os meus,
Não me viste, nem me olhaste sequer...
Não te aproximaste...
Mas não te culpo! Afinal eu era-te tão estranho
Como todos os outros a quem não olhaste, não viste e não falaste...
Mas nunca mais te esqueci!
Sempre te olho, sempre te vejo e sempre te falo!
Ainda que esteja eu mudo, fala-te o meu olhar...


Estava a ouvir:
"The first time I saw your face", Leona Lewis.
Ando a ler: "Ensaio sobre a cegueira", José Saramago.

Leia mais...

segunda-feira, junho 16, 2008

Palavra proíbida...

A propósito do nome do meu novo livro, fica aqui um poema (na verdade, apenas parte dele) que escrevi há alguns anos para uma pessoa muito especial. Andava a vasculhar os meus documentos no pc e dei com ele...

Neste poema que escrevo
Algo especial te queria dar.
Pediste as minhas palavras
E elas nem se te atrevem a falar.

Por mais coragem que sinta
A caneta teima em cair.
Respiro o mesmo ar que tu
Mas o meu parece fugir…

Minhas palavras pediste,
Embora que noutro tempo.
Agora sei o que quero dizer,
Mas por medo nem tento!

Leia mais...
Este blogue pertence a Marcos Bessa, eu próprio, e tudo o que aqui escrevo diz respeito apenas e só à minha opinião pessoal ou visão dos mais variados assuntos do quotidiano e não pode ser jamais confundido com a opinião, ideologia ou ponto de vista de qualquer outra entidade que possa estar ligada a mim, como seja a empresa que me emprega neste momento: LEGO System A/S.
Todo o conteúdo original deste blog não pode ser copiado, seja integral ou parcialmente, sem a devida referência à sua origem e um link para a mesma.
Todos os comentários publicados são da total responsabilidade dos seus autores.
Este blogue não tem qualquer apoio ou ligação com qualquer empresa aqui mencionada.