domingo, maio 16, 2010

[CONTO] Era uma vez dois grupos de paliteiros...

Hoje vou voltar à escrita criativa..... Tinha saudades! Afinal de contas a falta de tempo tem-me impedido de me dedicar a esta grande paixão que é escrever.

Assim, começo por dizer que toda e qualquer semelhança dos factos a seguir descritos com a realidade é pura coincidência...


Esta história passa-se num pequenino país, bem mais pequeno até que a bota da Europa, onde a paixão pelas construções de palitos era comum a imensa gente: pequenos, graúdos, homens e mulheres... Dessa grande paixão, saiam construções belíssimas: pontes, prédios, carros e até comboios! Mesmo aqueles que não tinham mãos habilidosas ou imaginação para criar os seus próprios modelos eram apreciadores daquela forma de arte.

Assim, naquele pequeníssimo país de paliteiros - chamemos assim aos fãs desta actividade - havia espaço para a existência de dois grupos. Um desses grupos funcionava como uma família que recebia sempre cada novo membro de braços abertos. Esse mesmo grupo procurava sempre dinamizar os seus membros e motivá-los ao máximo para que criassem as suas próprias construções, sempre riquíssimas em originalidade e detalhe. Prova da qualidade dessas construções de palitos, eram os frequentes destaques em jornais e revistas especializadas na área que publicavam orgulhosamente os trabalhos daquele grupo.

Por outro lado, havia um outro grupo que adorava comprar palitos e caixas de palitos.... E coleccionavam caixas de palitos em casa, na garagem, no sótão, na dispensa.... nunca se percebia onde tantos palitos eles guardavam.

Curiosamente as mesmas pessoas que fundaram esse grupo de "guardadores de palitos", acabaram por abandoná-lo por divergências de ideais: os palitos tinham muito mais valor em construções do que em dentro de caixas que ficavam empilhadas umas em cima das outras a ganharem pó. Por isso, surgiu assim aquele novo grupo dinâmico, original e apesar de amador, com qualidade de profissional!

Naquele país pequeno, cada vez mais pequeno para tantos paliteiros, as exposições de construções de palitos multiplicavam-se pelo país fora... Cada grupo tinha o seu grande evento anual, na sua aldeia. Um certo dia, um velho barrigudo com sede de poder e protagonismo, que usava recortes de revista para forjar retratos com as maiores entidades daquele minúsculo país, apareceu no caminho do grupo original de paliteiros. A par e passo, lá se conseguiu, com o barriguitas a atrapalhar mais do que a ajudar, fazer dois grandes eventos de sucesso... Toda a gente adorava as magníficas construções que se fazia com palitos! Mais ninguém ficava indiferente ao pegar numa simples farpa de madeira originalmente criada para escarafunchar os dentes....

O barrigas - o vilão desta fábula - até hinos entoou pela sua terra, difamando o grupo de paliteiros adversário... Afinal de contas, ele sabia quem eram os melhores e enquanto pôde, manteve-se do lado deles... Mas a sua ganância e necessidade de mandar ditaram o fim da sua relação com aquele grupo... Enfurecido e frustrado pelos travões que levou, decidiu fazer birra e cancelar o mais recente evento que iria realizar com aquele grupo. E o que fazer quando se tem de responder perante superiores hierárquicos e se perdeu a colaboração do melhor grupo de paliteiros que havia? Pois claro está que a solução é contactar o grupo que tanto difamava e repudiava, afinal de contas era a sua única alternativa....

Os dois grupos de paliteiros nunca morreram de amores um pelo outro, muito por culpa da diferença de ideais que os separava... Mas a verdade é que o Conselho Supremo de Admiradores de Palitos - o CSAP - que tinha a responsabilidade de moderar as relações entre os grupos, conseguiu que ambos fizessem um acordo de respeito mútuo.

Até que um dia o grupo mau desta história - digam lá, já sabem qual é, não sabem? - quebrou aquele acordo e decidiu tirar todas as caixas de palitos dos armários, caixotes, sótãos, garagens e espalhá-los pelo país mais pequeno que uma bota... Queriam a todo o custo distrair os verdadeiros aficionados pelas construções de palitos, impedindo-os de visitarem o maior evento que se ia realizar naquele ano numa nova Cidade, organizado pelo grupo mais inovador e empenhado de paliteiros...

E depois de muitos percalços e contratempos - como acontece em todas as verdadeiras histórias repletas de aventura - é hora de contar o desfecho deste meu conto: o grupo de paliteiros com carácter, de consciência tranquila, apresentou ao seu pequeno país o maior evento de construções de palitos que alguma vez tinha recebido! Sucesso máximo! E sabem que mais? A família que era aquele grupo desfrutou como nunca antes o tinha feito de um evento daqueles, porque o vilão barrigas estava bem longe e produzir o seu veneno até à próxima oportunidade de tentar arruinar os planos de mais um grupo de paliteiros.... O que valia é que aquele país só tinha dois grupos para ele atacar, porque se mais houvesse, mais o barrigudo se mexia e planos maquiavélicos desenhava....

FIM

Moral da história? Um dia vocês vão perceber que recebem em dobro tudo o que dão neste mundo... O velho barrigudo - o vilão desta história puramente ficcional que vos acabei de contar - já está a receber a sua dose.... :)

Até logo!

0 comentário(s):

Este blogue pertence a Marcos Bessa, eu próprio, e tudo o que aqui escrevo diz respeito apenas e só à minha opinião pessoal ou visão dos mais variados assuntos do quotidiano e não pode ser jamais confundido com a opinião, ideologia ou ponto de vista de qualquer outra entidade que possa estar ligada a mim, como seja a empresa que me emprega neste momento: LEGO System A/S.
Todo o conteúdo original deste blog não pode ser copiado, seja integral ou parcialmente, sem a devida referência à sua origem e um link para a mesma.
Todos os comentários publicados são da total responsabilidade dos seus autores.
Este blogue não tem qualquer apoio ou ligação com qualquer empresa aqui mencionada.