quinta-feira, dezembro 13, 2012

[ Jornal + | 13/12/2012 ] Se "eu" não gostar de mim...

Eu sei que a premissa deste jornal não é abordar questões negativas. Totalmente pelo contrário, como o seu próprio nome indica. Porém, desta vez não posso evitar tocar num assunto que me vem angustiando e revoltando já lá vão meses, senão mesmo uns poucos de anos. Sou um jovem ainda, imaturo no que diz respeito a tantas coisas, no entanto acredito que já tenha vivido e conquistado o suficiente para saber o verdadeiro valor e importância que tem o poder de acreditarmos em nós próprios.

Hoje, há uma hora apenas, tinha ideia de escrever a crónica para esta edição sobre um assunto completamente diferente, mas um vídeo que encontrei onlinedespoletou em mim sentimentos adversos que me dominaram por completo e que acabaram por determinar a direção que este texto está a tomar. Nesse vídeo podem ver-se imagens de Cristiano Ronaldo a jogar, ilustrando alguns dos momentos altos das últimas exibições do jogador, dando destaque ao facto de apesar de muitas vezes ter meio-mundo contra si, o jovem madeirense continua a dar cartas naquilo que melhor faz, provando o seu valor.

Este vídeo levantou em mim – mais uma vez – a questão: mas qual é o problema dos Portugueses? A minha experiência de vida fora do país não é assim tão extensa. Conheço, se muito, a cultura dinamarquesa, e isso é já suficiente para pelo menos indagar acerca do que nos define enquanto sociedade. Serve de ponto de partida. E um dos aspetos fulcrais que nos colocam à parte dos dinamarqueses, do tanto que já pude absorver, é a dimensão do orgulho que têm em si e nos seus.

Em época de futebol, é certo que o problema parece ser menor. Subitamente somos a maior nação do mundo, orgulhosos da bandeira que pendurámos à varanda. Mas quantas vezes nos rebaixamos mesmo antes de alguém de fora dizer uma palavra? Quantas vezes fomos os primeiros a questionar o nosso valor ou a denegrir aquilo que se faz em Portugal? 

Este texto não pretende ser de todo um manifesto de fanatismo pelo Ronaldo, ou por qualquer outra entidade em particular. Nem tão pouco sou adepto de futebol. Foi um vídeo sobre ele que me levou a escrever, mas poderia ter sido sobre qualquer outro Português que se destacou numa determinada área e que por isso mesmo parece ter uma legião de “haters” que parecem ter prazer em denegrir, em rebaixar, em diminuir. Ainda que estes seres humanos não sejam perfeitos enquanto tal – afinal de contas, quem o é? -, eles têm valor enquanto futebolistas, enquanto músicos, enquanto atores. E nós, portugueses, tendencialmente consideramos que os nossos talentos nunca são suficientemente bons, nunca são verdadeiramente motivos de orgulho. Muitas vezes é preciso alguém de fora vir louvar os seus talentos para que nós mesmos os saibamos reconhecer. É triste. Mas é como diz o slogan de uma certa marca: “se eu não gostar de mim, quem gostará?”. E o “eu” aqui é Portugal.
Leia mais...

quarta-feira, dezembro 12, 2012

Desabafo de um ano de consciência pesada...

Hoje faz um ano. Que perdi o chão por debaixo dos meus pés. Num telefonema doloroso. De voz trémula, foi a minha mãe quem me deu a notícia.

Passei o dia a ponderar se deveria escrever sobre isto. Passei o ano, na verdade.

Chegou talvez a hora de desabafar um pouco. Não sei, neste momento, quanto tenho a dizer ou quanto irei efectivamente escrever. Nem tão pouco sei se isto acabará publicado ou simplesmente esquecido num rascunho inacabado.

No dia 12 de Dezembro de 2012 perdi o meu avô paterno.

As pessoas morrem. Todos os dias. Tantas. É o ciclo natural da vida. E ele partiu com uma vida cheia de alegrias, conquistas e frutos. Ninguém poderá alguma vez desejar uma vida melhor do que a dele. E mais do que qualquer um, ele mesmo afirmava-o orgulhosamente.

O meu avô Maximino foi o homem mais íntegro, mais respeitado, mais responsável, mais tudo... que eu conheci. Será sempre o melhor exemplo que terei para a minha vida.

Cresci ao pé dele. Via-o todos os dias. Falava com ele todos os dias. E sempre ele tinha uma nova história para me contar. Como eu desejava tê-las escrito num papel. Quem me dera ter uma memória capaz de recordar com detalhe todas as lições que ele me passou. E que memória tinha ele! Lembrava-se de tudo o que viveu, das pessoas que conheceu, das dificuldades por que passou, dos obstáculos que venceu.

Toda a gente sabe quem foi o Senhor Vint'oito. Todos o conheciam. Todos o admiravam e respeitavam. Toda a gente lhe levantava a mão em cumprimento na rua, por onde quer que ele passasse. Em criança, nunca deixava de ficar admirado por mais um "estranho" lhe levantar a mão, mesmo naquela rua por onde eu nunca tinha passado. O meu avô era, para mim, a pessoa mais popular da região.

O meu avô foi o melhor avô do mundo. E não foi apenas porque me deu mimos. Porque os deu de facto. Os sugos que comprei com as moedas de cinquenta escudos que ele me dava. Os lanches no café. Os gelados. Os passeios de carro. As boleias quando mais ninguém tinha tempo ou paciência para me levar onde queria ir. Mas também as conversas sérias. As lições de vida. Os exemplos. A exigência por uma postura digna. A aprovação e valorização do meu trabalho, do meu esforço. O orgulho em mim.

Mudei-me para a Dinamarca em Outubro de 2010. Contei-lhe que ia construir com LEGO. Que ia fazer brinquedos. Que ia ser um Designer. Que ia trabalhar no que eu mais gostava. Que ia realizar um sonho. Ele não conseguia compreender exactamente o que tudo aquilo significava. Mas para ele importava apenas que eu estivesse feliz. E foi isso que ele fez questão de me perguntar antes e mais do que tudo. "Então eu também estou feliz!", respondeu-me.

Meio ano depois, quando estava de visita em Portugal para festejar o meu 22.º aniversário, reuni toda a família em minha casa para soprar as velas e comer uma fatia de bolo. Como era hábito. Na despedida daquela noite, junto à porta, ele apertou-me os braços nas suas mãos firmes e fortes e na voz mais segura que conseguiu, tentando a todo o custo não soltar as lágrimas que lhe surgiam no canto do olho, disse-me: "Eu só queria que terminasses o teu curso... Eu só queria... Eu só queria que estivesses aqui a estudar... Eu só queria que estivesses aqui..."

O meu coração desfez-se em lágrimas, dentro do peito. Os meus olhos também húmidos, sorriram o mais que puderam, quando lhe disse que estava feliz, que não precisava voltar para a faculdade para tirar o mestrado. Tinha a sorte de estar a trabalhar no que mais queria. E ele sabia disso. E sei o quanto lhe custou fraquejar e ceder à emoção e saudade que sentia dos tempos em que me teve ali ao pé de si. Ele queria o melhor para mim e não admitia, nem a si mesmo, o egoísmo de desejar algo que me tirasse aquilo que eu mais queria para mim naquele momento.

Vi-o mais duas vezes depois depois dessa viagem. No Verão, quando estive em Portugal para visitar o evento da Comunidade de fãs de LEGO de que faço parte, tive a oportunidade de o ver no seu aniversário, no entanto deixei-a passar. Estava em Portugal enquanto LEGO Designer, numa viagem de trabalho e por isso, juntamente com o facto de naquele momento ter desejado passar mais tempo com os meus "amigos do LEGO", pensei que podia faltar ao aniversário dele. Tentei convencer-me que era a minha obrigação estar lá, no evento em Paredes de Coura, mas no fundo sabia que podia ter escapado por umas horas para voltar a Vilela e lhe dar um abraço. Mesmo que tivesse de fazer mais de 100km.

Já no ano anterior tinha faltado ao seu aniversário porque estava num outro evento da mesma comunidade, também em Paredes de Coura. Toda a família reunida, menos eu. Mas eu via-o todos os outros dias, por isso tentei fazer-me crer que ele não sentiria a minha falta. Dava-lhe o abraço depois. Se arrependimento matasse...

Voltei ainda a Portugal uma outra vez nesse Verão, para duas semanas de férias. Depois, em Outubro, voltei para mais uma semana de correria, ver amigos, família, conhecidos. Jantares, idas ao cinema, saídas à noite... Numa semana apenas, não deu para passar muito tempo com ninguém. Tive de repartir as horas. Como sempre que regresso. Mas naquela semana gravei na minha pele o número 28. A prova do orgulho e amor que sinto por ele e pela família que ele me deu. No entanto não lha mostrei nessa altura. Escondi-a. Sabia que ele não aprovava a minha decisão de ter feito uma primeira tatuagem. Por isso assumi que uma segunda só seria maior razão de desagrado. Ainda que essa fosse uma homenagem a ele mesmo. "Tenho tempo... Mostrou-lhe noutra altura...", pensei.

A "outra altura" chegaria pouco mais de dois meses depois, quando estaria de regresso para o Natal. Mas ela nunca chegou realmente. Nunca mais o vi. Vivo, pelo menos.

Numa segunda-feira, dia 12 de Dezembro de 2011, tinha começado o dia mal disposto. Na noite anterior, ao regressar a Vejle de um dia bem passado em Aarhus, deixei um saco no comboio, com coisas bastante importantes. Contactei os serviços do comboio e consegui assegurar que o saco tinha sido recuperado e seria entregue nos perdidos e achados em Copenhaga. Mas teria de lá ir recuperá-lo. E as viagens até Copenhaga são caras. E com o stress que tinha vivido naquela noite sem ter a certeza se o meu saco seria recuperado ou se alguém mal intencionado pegaria nele, acabei por nem dormir direito. Depois de uma manhã curta de trabalho, voltei para Vejle e apanhei um comboio à hora de almoço em direcção à capital. Poucos minutos depois recebi um telefonema da minha mãe. Estava a ouvir música no telemóvel, como de costume. Olhei para a palavra "mãe" no visor, a música tinha parado, dando lugar ao toque de chamada. Tinha acabado de ouvir "Time flies but you're the pilot...", parte da letra de "This is Love", dos The Script. E logo depois ouvi a minha mãe, a chorar do outro lado do telefone. Não demorei muito a perceber o que tinha acontecido.

Estava num comboio cheio de gente. Literalmente rodeado de pessoas. Sentado num banco com mesa e  bancos voltados de frente para mim. Portanto, tinha duas pessoas sentadas exactamente do lado oposto e uma ao meu lado. Chorei o resto da viagem, por duas horas. Como nunca tinha chorado na minha vida. Só queria desaparecer. Queria ver o meu avô. Queria sentir o abraço dele. Queria acordar. Queria que fosse um pesadelo. O pior de sempre, mas um pesadelo. Mas só as minhas lágrimas me fizeram companhia naquela viagem. Ninguém ousou perguntar se estava bem ou se precisava de alguma coisa. Estava claramente transtornado. Não fiz questão de o esconder. Não estava sequer preocupado com isso, para dizer a verdade. Mas estava sozinho, apesar de rodeado por tanta gente.

Só consegui voo para Portugal no dia seguinte. Com duas escalas. Sendo a segunda em Lisboa. O segundo voo atrasou-se e acabei por não conseguir apanhar o avião de Lisboa para o Porto que me daria a oportunidade de chegar a tempo do funeral. Eu supliquei que me colocassem no avião, mas as portas tinham-se fechado 5 minutos antes. Eu corri o mais que pude. Mas tudo parecia querer manter-me longe do meu avô.

Não cheguei a tempo do funeral. Afinal não temos "sempre tempo", como pensamos...

Durante meses questionei-me se tinha feito a escolha certa em mudar-me para a Dinamarca. Vim para cá e deixei todos os que mais amo. Deixei de fazer parte das vidas deles. E eles da minha. Pelo menos da forma como era antes. E todo este tempo tenho carregado a culpa e o arrependimento por ter faltado aos dois últimos aniversários dele. Por não lhe ter mostrado a tatuagem que fiz por ele. Por não lhe ter dito com palavras o quanto o amo e o orgulho que tenho em ser Vint'oito.

Hoje foi um dia difícil. Esperei até ao fim para finalmente por em palavras o que me vem pesando no pensamento ao longo deste ano. O primeiro.

Agora que está escrito, agora que o desabafei, não sinto alivio. Não estou mais leve. Mas sei agora que tu que lês o meu blog, que segues o que vou aqui escrevendo, ainda que esporadicamente, ou que cá vieste parar por mero acaso, sabes o quanto o meu avô foi importante na minha vida e o grande homem que foi e sempre será.

Não sou uma pessoa de fé. Perdi-a muito cedo. Por isso não tenho por hábito, de todo, acreditar que as coisas acontecem "porque tiveram de acontecer", ou "porque há um propósito maior", "uma lição a tirar"... Porém, com a morte do meu avô, se algo, aprendi que realmente não temos tempo para tudo. Que ele voa mesmo. Mas também que somos nós que decidimos como o gastamos, para que direcção vamos...


Até sempre, avô.
Leia mais...

segunda-feira, novembro 12, 2012

[ Jornal + | 31/10/2012 ] Esquisito, não: seleto!

Hoje é um dia especial para mim. Pela primeira vez nestes 23 anos de vida alguém disse que eu não era esquisito a comer. Devo dizer que foi com grande custo que finalmente consegui este feito memorável na minha vida. A minha mãe vai, com certeza, ler estas palavras com alguma hesitação e irá muito provavelmente até indagar acerca da legitimidade desta pessoa para afirmar tal coisa. Mas o que é certo é que consegui de facto mudar, e muito, a minha forma de comer, particularmente nestes últimos dois anos.

Cresci sem dar grandes trabalhos à minha mãe. E quando era mesmo pequeno então é que, segundo ela, tinha uma "boquinha santa". Comia de tudo e tudo o que ela me dava. À medida que fui crescendo, fui também me tornando mais... seleto, como eu prefixo chamar-lhe. Usava sempre a mesma desculpa, digo, justificação quando era confrontado por alguém acerca das minhas limitações gustativas: "eu só não gosto de legumes cozidos". E por conseguinte, tudo o que os incluísse, especialmente sopas.

E era verdade (se ignorarmos fígado, orelha de porco, pata de galinha, e essas coisas estranhas que não compreendo como é que foram acabar introduzidas na nossa gastronomia)! Eu realmente detestava comer legumes. E arrisco dizer que a culpa era da minha mãe que talvez não se tenha esforçado o suficiente para os tornar interessantes e atrativos nos pratos que me confecionava. (Desculpa, mãe, mas ninguém é perfeito!)

Agora que cozinho para mim e que tive, entretanto, oportunidade de contactar com outras cozinhas completamente diferentes da nossa tradicional forma de cozinhar em Portugal, em que tudo é estufado ou cozido até quase se obter um puré que, juntamente com pedaços do pão de ontem faz uma sopa pesada capaz de alimentar para o resto da semana, vejo como estava enganado ao pensar que nunca iria ser capaz de apreciar uma courgette, ou as folhas verdes da tronchuda, ou uma simples cenoura cozida.

Devo reforçar que nunca fui esquisito quanto a tudo o que era legumes crus preparados numa salada. Mas quando passava daí, a coisa mudava significativamente de figura. Até na noite de Natal a única coisa que escapava para o meu prato era as batatas e o bacalhau. Mas depois, à medida que fui crescendo, e me fui propondo a experimentar mais sabores, fui permitindo que o meu paladar evoluísse também. Hoje posso dizer orgulhosamente que como praticamente de tudo - dentro do que é considerado tradicional na nossa gastronomia, pelo menos!

Evoluí de tal forma na minha forma de comer que tudo o que cozinho inclui sempre legumes. É inegável o papel que estes têm numa dieta saudável e equilibrada e isso nunca sequer foi posto em causa. Talvez também daí tenha me esforçado por mudar. E a mudança foi tal que os legumes se tornaram mesmo na base principal das minhas refeições! Para terem uma ideia, até sopas faço! Agora aquelas coisas como o fígado e a cabeça do galo do arroz de cabidela... Nheec... Era preciso morrer e nascer de novo!
Leia mais...

quinta-feira, setembro 27, 2012

[POEMA] Sarjeta

Hoje terminei um poema que comecei a escrever há uns dias. A inspiração surgiu da combinação perfeita de três elementos: uma foto com que me cruzei no Facebook (usada neste vídeo), o som da chuva que caía na rua e uma melodia viciante criada por um dos artistas do YouTube cujo trabalho vou seguindo, o SamYung.

É um poema em memória de todos os cães, vadios ou não, que perderam a vida numa sarjeta qualquer... porque o cão é mesmo o melhor amigo do homem.


E ali jazia já arrefecido,
como se dormisse na mais profunda calma
por baixo da chuva complacente,
que lhe lavava o corpo sem alma.

Levara-lha aquele que não parou,
que não sentiu, que não pensou.
Levara-lha sem remorso ou culpa
de quem uma vida afinal roubou.

Na escuridão gélida da noite,
uma luz surgira vinda do nada,
que tal como uma chicotada
o atirou para fora daquela estrada.

Os ossos que se lhe quebraram
impediram-no de se mexer,
ali caído numa sarjeta
onde veio a acabar sem querer.

A dor que se apoderou do seu corpo
ninguém por ele a pôde sentir.
Já nada mais o poderia salvar
do fado a que não teve como fugir.

Somente a noite ouviu o gemido
que nem força teve para ser latido
e assim morrera sozinho e encharcado
Porque um condutor distraído lhe havia batido.


Leia mais...

terça-feira, setembro 11, 2012

[ Jornal + | 11/09/2012 ] A Música

Desde pequeno que a música tem tido um papel bastante importante na minha vida. Comecei por volta dos meus 6 anos, quando fui um dos seleccionados para integrar o primeiro coro infantil de Vilela, a minha terra Natal. Desde aí, nunca mais parei de cantar - para mal dos pecados da minha mãe, que era obrigada a ouvir-me quando queria e quando não queria.

Cresci a ver concursos na televisão como Operação Triunfo, Academia de Estrelas ou Ídolos e sonhava com o dia em que atingiria 18 anos para poder finalmente participar - em especial no primeiro, por ser como uma "escola". Mas a oportunidade nunca chegou...

Ainda assim, o gosto pela música cresceu lado a lado com a paixão pelo palco e a representação e durante muito tempo tive a certeza que não havia algo que quisesse mais do que entrar numa escola de artes performativas. Porém nunca tive o total apoio dos meus pais, pela assustadora insegurança que uma carreira de actor/cantor acarreta, em especial num país como o nosso.

Apesar de não me ter tornado num actor ou músico - ainda! -, vou mantendo estas actividades bem presentes no meu dia-à-dia o mais que posso, sobretudo no que diz respeito à música. Não tenho o sonho de vender discos e fazer digressões, nem tão pouco ouso acreditar que tivesse talento suficiente para tal. Mas adoro estar em palco e cantar, seja com o meu coro de gospel aqui em Vejle, onde vivo, ou nas noites de Karaoke às quintas-feiras no Corners, um pub enfumaçado que não toleraria não fosse ele o único da zona com esta actividade.

Ontem tive o meu primeiro concerto ao ar livre com o coro New Birth, em Aarhus. E tive direito a um solo! Correu tudo bem, as pessoas gostaram e a energia estava ao rubro! Foi para mim, sobretudo, um momento de pura adrenalina e emoção, com uma alegria e satisfação que poucas coisas me dão na vida. Afinal, quem canta seus males espanta, não é verdade?
Leia mais...

quinta-feira, agosto 16, 2012

[ Jornal + | 16/08/2012 ] À descoberta da História romana

Hoje escrevo-vos de um quarto quente, numa pensão em Roma, onde nem a pobre ventoinha no tecto consegue vencer o calor. As temperaturas que se fazem sentir lá para cima, na terra dos vikings, já transformaram o meu corpo que agora tolera muito mais dificilmente este calor insuportável que nos faz suar litros de água.

Tive desde adolescente o desejo de viajar até Itália, mas até emigrar para a Dinamarca, viajar era um luxo a que só tive acesso uma vez numa viagem de estudo a Londres. Hoje, aqui estou, pela segunda vez neste país, primeira na "bota". Alguns poderão dizer que esta não é a melhor altura do ano para vir a Roma, os mesmos que agora muito provavelmente estão numa zona costeira a apanhar banhos de sol, e andar por uma cidade tão rica e repleta de tesouros históricos e arquitectónicos debaixo de um sol abrasador pode ser realmente desgastaste, mas foi quando surgiu a oportunidade e não sou de as deixar passar.

Estou fascinado com tudo o que vi até agora. Os meus olhos estão cansados e o cérebro já não é capaz de processar muito mais imagens. Também por isso comprei um livro com imensa informação para depois, com tempo, rever e relembrar tudo o que vi e ouvi da boca da mais empolgante e cativante guia turística que alguma vez conheci - ou de que sequer ouvi falar!

Cruzei-me com a Fee, uma inglesa de 49 anos dos arredores de Liverpool, numa primeira visita guiada às ruínas do Fórum Romano, logo depois de ter visitado o famoso coliseu. Depois de aproximadamente uma hora a caminhar por entre pedaços de história, alguns com mais de dois milhares de anos, a energia daquela ex-professora de química manteve-se inalterada e era de tal forma contagiante que não pensei duas vezes antes de me inscrever para uma segunda visita guiada com ela, desta vez ao Museu do Vaticano e Capela Sestina. Felicity - nome de baptismo desta senhora -, foi a maior prova que alguma vez tive de que o amor pelo que fazemos é sem dúvida o mais importante ingrediente para o sucesso, ou não tivesse ela emigrado para Itália há quatro anos, sozinha, à procura de satisfazer o seu maior desejo de viver perto deste colosso de história.
Leia mais...

quarta-feira, julho 25, 2012

[ Jornal + | 25/07/2012 ] O Tempo

Dizem os estrangeiros que por aqui passam que os dinamarqueses não falam de outra coisa senão do tempo. Embora só tenho ouvido tal observação já depois de cá viver, verdade é que depressa a confirmei. É frequente cruzar-me com colegas e conhecidos e inevitavelmente comentar a descida abrupta de temperatura que se fez sentir a meio da semana, ou o sol radiante que tornou a última tarde de sábado num excelente dia de praia, ainda que domingo tenha sido de trovoada e chuva a cântaros.

Pois é, fala-se do tempo por estes lados como se de uma série policial cheia de mistério e reviravoltas no guião se tratasse, tal é o interesse que o assunto parece despertar de uma forma geral nas pessoas. E até podiam vocês dizer-me que nós portugueses também falamos bastante sobre a meteorologia do nosso próprio país "à beira mar plantado". Ou até mesmo que na verdade é um hábito comum e global - afinal todos, em qualquer parte do globo, estamos sujeitos ao estado de humor de São Pedro (ou entidades religioso-transcendentais equivalentes).

Porém, o que eu notei nestes quase dois anos que aqui estou, é que mais do que em Portugal, as pessoas realmente dependem das previsões da meteorologia. Ao passo que aí, onde estão a ler este meu texto, as estações do ano ainda vão tendo algo de característico, aqui essas quase parecem não existir - pelos menos não como eu me lembro de as ter aprendido na escola.

Além da neve a durar uns quatro meses no inverno, nada mais parece certo por aqui... Ora chove, ora está um lindo dia de sol, ora volta o vento e as temperaturas baixas, ora se volta a ter um rasgo de verão que dura mais uns dias, a lembrar que afinal estamos mesmo em Julho...

Várias vezes comentamos no trabalho que a empresa deveria estar proibida de funcionar em dias de sol (acreditem que não afectaria significativamente a sua produtividade de tão poucos que são). Eu próprio estaria disposto a trabalhar aos fins-de-semana se isso me assegurasse a possibilidade de ficar em casa num dia em que as nuvens tivessem ficado para lá da fronteira dinamarquesa.

Num país consideravelmente mais frio e com uma meteorologia pálida, molhada e bem mais depressiva que aquela que recordo saudosamente do nosso Portugal, é mais do que compreensível que o assunto número um das pessoas na rua seja exactamente o que irão fazer no próximo dia de sol, para aproveitar tal evento. É preciso estar em cima do acontecimento para se poder tirar verdadeiro proveito de cada pedacinho de verão que vamos vivendo deste lado da Europa. E com isto lembro-me que ainda não consultei a meteorologia para amanhã...
Leia mais...

segunda-feira, junho 18, 2012

[ Jornal + | 9/06/2012 ] Ai as Francesinhas...

Nestas últimas semanas tenho me deparado com uma quantidade algo perturbadora de imagens de francesinhas no Facebook. Não sei se é por estarmos agora a entrar no Verão e, talvez por isso, as pessoas se sintam mais tentadas a este prato típico do Porto que cai sempre melhor acompanhado de uma cerveja bem gelada. Talvez tenha sido isso mesmo que deu origem a um autêntico assalto ao meu mural por parte de uma série de imagens de fazer crescer água na boca.

Provavelmente estou apenas a receber o troco pelas frequentes fotos que publico no meu próprio mural das minhas iguarias e refeições mais apetitosas. Bem que dizem que o universo apenas nos devolve aquilo que lhe damos...

A propósito de comida, uma das principais diferenças com que me deparei assim que emigrei foi justamente a gastronomia. Inúmeras conservas, molhos de todas as cores e consistências, uma variedade imensa de combinações de coberturas para "sandes" de uma única fatia de pão: o tradicionalsmørrebrød – que eles depois são obrigados a comer de faca e garfo –, são apenas alguns dos exemplos do que pela minha experiência melhor descreveria a cozinha dinamarquesa (ou pelo menos a cantina da empresa onde trabalho).

É certo que me tornei muito menos esquisito no que diz respeito a comida desde que passei a viver sozinho e a ter de cozinhar para mim – experimento muito mais –, mas não posso dizer ainda que me tenha rendido aos sabores bárbaros aqui da terra dos vikings. Sou muito mais apreciador da cozinha japonesa, tailandesa ou italiana, ainda que a minha favorita continue a ser sem dúvida a cozinha da minha mãe! Que saudades daquela comida que durante tanto tempo tive como garantida quase sem lhe dar o devido valor.

Apesar das saudades da “comida da mamã”, não tenho conseguido parar de salivar por uma francesinha nos últimos dias. Tenho pensado em chamar alguns amigos para jantar lá em casa e dar-lhes a provar esta iguaria portuguesa... Qualquer portuense sabe que o segredo está no molho. Tenho de descobrir a melhor receita! Alguma sugestão ou truque que eu deva ter em conta para impressionar os meus amigos dinamarqueses?
Leia mais...

terça-feira, maio 22, 2012

[Jornal + | 15/05/2012] "Torre de Babel"

Há uma pergunta à qual tenho de responder vezes sem conta sempre que estou em Portugal: “então, já falas Dinamarquês?” Compreendo que faça sentido na cabeça das pessoas que após tanto tempo eu já seja capaz de falar esta língua nórdica caracterizada por sons que evocam imagens de vómito na minha cabeça. Mas a resposta tem sido repetidamente: não!

Tudo bem que já cá estou há 19 meses, no único país do mundo em que se fala dinamarquês, mas a verdade é que há uma boa justificação para o facto de não ser ainda um poeta nórdico. A LEGO, enquanto empresa, é um espaço completamente internacional. Tenho colegas vindos um pouco de todo o mundo: Guatemala, EUA, Canadá, África do Sul, Roménia, Alemanha, França, Espanha, Austrália (isto apenas para enumerar alguns!) o que faz com que a língua oficial seja o Inglês.

90% do meu dia-a-dia, portanto, é vivido num ambiente anglófono. Os restantes 10 dividem-se entre o Português do Facebook (que me vai mantendo em contacto com família e amigos) e um mero 1% de Dinamarquês com o qual tenho de levar volta e meia, seja no correio ou algum aviso na entrada do prédio.

Mas sendo eu um jovem inteligente e interessado em aprender, sei que quem me conhece esperaria mais de mim. É com desilusão e surpresa estampados no rosto que recebem a minha resposta curta e inesperada, obrigando-me depois a acrescentar alguns esclarecimentos para bem da minha própria imagem. Como sejam o facto de estar a trabalhar numa empresa internacional, ou a inutilidade que é aprender uma terceira língua (ou quarta se contar com o espanhol intermédio que acredito dominar como qualquer português que se preza) que não me abre portas em mais parte alguma do globo, ou ainda mesmo o facto de se tratar de uma língua extremamente difícil de aprender.

Qualquer residente trabalhador na Dinamarca tem a possibilidade de aprender Dinamarquês de forma gratuita facultada pelo estado, desde que o faça dentro dos três primeiros anos de residência. Eu comecei as minhas aulas alguns meses depois de ter chegado cá e durante uns sete meses talvez, fui relativamente assíduo. Completei o primeiro módulo (dos cinco que compõem o programa de aprendizagem), mas desde Novembro que estou a tirar umas férias.

Sei agora o equivalente a um ano de aprendizagem de Inglês nos meus tempos de escola: os números, os dias da semana, perguntas simples, falar um pouco sobre o tempo... Tendo terminado os meus estudos pouco antes de me mudar para cá, não tenho ainda particulares saudades de qualquer tipo de aula ou das actividades que delas advêm (TPC). Conto regressar, mas não para já... Até poderei vir a falar um dia esta língua dos Vikings, mas certamente jamais escreverei um livro em Dinamarquês!
Leia mais...

segunda-feira, abril 30, 2012

[Jornal + | 28/04/2012] Regresso a "casa"

Neste ano e meio que já passou desde que me mudei para a Dinamarca, tenho visitado Portugal com alguma regularidade. Sensivelmente de três em três meses volto à terra, visito a família, revejo os amigos, sereno o coração, aqueço a alma e acalmo a saudade.

Cresci numa família muito unida e muito presente na vida uns dos outros. A minha família paterna vive praticamente toda na porta ao lado e a materna, apesar de mais distanciada, ainda assim está a uns meros quilómetros que se fazem até a pé. Por isso, sempre tive contacto com todos eles. Via os meus tios, primos e avós, senão todos os dias, pelo menos uma vez por semana. E isso é seguramente uma das coisas de que mais sinto falta: estar perto. Perto dos que mais importam para mim.

Sempre que volto a “casa” – e agora uso as aspas para me referir àquela em que cresci – tenho a sensação que deixei o meu quarto tal qual o encontro, apenas umas horas antes, naquela mesma manhã, como se nunca tivesse partido. É estranho. Mas é incrivelmente reconfortante saber que o meu quarto está ali, sempre igual, meu. A minha mãe tem feito questão de deixar tudo como sempre esteve. Até alguma da “tralha” que foi ficando na secretária e que até hoje lá continua.

Normalmente quando estou por terras lusitanas, fico por uma semana, mas sabe sempre a pouco... Ficam sempre sítios por visitar, coisas por fazer, pessoas por encontrar... Na última visita, por altura da Páscoa, aproveitei para fazer uma nova tatuagem: “Time flies but you're the pilot.” (o tempo voa mas és tu que és o piloto). A história por trás desta marca que agora é parte do que sou, está intimamente ligada ao momento mais doloroso pelo qual passei até hoje. E se alguma lição pude tirar desse momento, com certeza a mais importante foi a de aproveitar cada segundo, cada porta que se abre, nunca esperar pelo amanhã, pelo depois... É no fundo isso também que estou a fazer ao viver esta incrível oportunidade que me apareceu no caminho.

Tenho agora uma vida completamente diferente daquela que tinha em Portugal, e estou habituado a ela. Vejle é agora a minha cidade, esta é agora a minha casa e tenho a secretária de onde escrevo esta “carta” também já repleta de “tralha”. Há coisas que não mudam, não importa onde estejamos!

Se um dia regressarei a Portugal? Há dias em que sinto que nunca cheguei a partir realmente...
Leia mais...

domingo, abril 15, 2012

[Jornal +] Quanto vale um sonho

Nota introdutória: o Jornal + é um projecto de um conhecido meu dos tempos de escola e sobre o qual já escrevi noutra altura. Agora parece que comecei a escrever uma espécie de crónica para uma página do jornal intitulada "Correio Internacional". O Arménio Santos, editor do Jornal, apelidou-me simpaticamente de Cavaleiro da Dinamarca, nome esse também de uma obra infantil de Sophia de Mello Breyner Andresen. Segue-se então a transcrição do texto publicado na edição desta semana.

A 3 de Outubro de 2010, com apenas 21 anos, estava eu a aterrar no aeroporto de Billund, o segundo maior da Dinamarca, prestes a começar a maior aventura da minha vida: ser adulto!

É certo que, de acordo com a lei portuguesa, já o era desde 25 de Março de 2007, mas até então continuava a viver sob o tecto dos meus pais, tinha toda a minha família a viver literalmente à minha volta ou a pouquíssimos kilómetros de distância, permanecia livre de grandes responsabilidades, ocupava grande parte do meu tempo com os estudos e com os meus hobbies, via os mesmos amigos que sempre estiveram do meu lado pelo menos uma vez por semana... e de repente tudo mudou.

De um dia para o outro, estava a viver sozinho, longe de tudo o que conhecia e tive como certo a vida toda, fora do meu país, por minha total conta e risco. E no dia seguinte começava a trabalhar, oficialmente, com um contrato, com um ordenado, num trabalho “de verdade”, pela primeira vez.

Se por um lado, muitos me consideraram um sortudo pela oportunidade que estava a ter, um previligiado até, eu, por outro, tive de me abstrair de real dimensão da mudança que estava a fazer à minha vida para realmente poder apreciar o início desta minha grande aventura em terras dinamarquesas. Com apenas 21 anos estava a realizar um dos meus maiores sonhos: tornar-me num LEGO Designer.

É isso que faço hoje, um ano e meio já passados e cá continuo a criar e a escrever na história de uma das maiores e mais adoradas empresas de brinquedos do mundo. Continuo apaixonado pelo meu trabalho e é com um sorriso que cheguei ainda hoje à minha secretária, mas só eu sei o verdadeiro preço que estou a pagar para viver o meu sonho. Afinal, não se pode ter tudo, não é verdade?


Vamos ver como corre esta aventura e se vou tendo tempo para lhe dar continuidade.

Até logo.
Leia mais...

quarta-feira, abril 04, 2012

Rachei a cabeça depois de "velho"...

Tanto tempo se tem passado nestes últimos meses sem que nada de relevante aconteça ao ponto de eu querer (ou poder) partilhar aqui... Mas na última semana esta tendência foi completamente revertida. No entanto, só agora tive um tempinho para vir aqui escrever.

Desta vez, e para me obrigar a passar menos tempo no computador durante estas ferias, deixei-o em casa e viajei apenas com o iPad. É dele mesmo que vos escrevo neste momento (entretanto passei para o portátil da minha mãe, porque não estava a conseguir formatar o texto no iPad).

Pois bem, començando então o relato dos acontecimentos pelo principio...

Rachei a cabeça pela primeira vez depois de "velho"!

Ora, é mesmo verdade! No dia 27 de Março, recebi a primeira fornada de móveis enviados pelo meu pai. Já estou a viver no meu apartamento sozinho há quase meio ano, mas vocês também devem conhecer o dito: "casa de ferreiro, espeto de pau"... E até para mim isso se verificou! Mas pronto, pelo menos valeu a pena a espera. Tive a oportunidade de ter os móveis como queria, feitos para mim, à minha medida... Sempre é melhor do que ir ao IKEA e comprar aqueles móveis de segunda qualidade e feitos em série, iguais aos de tantas outras pessoas. Tem de haver alguma vantagem em ter um negócio de mobiliário na família! :)


Este era o estado em que estava a minha sala a meio do processo! Mas foi bem antes que tudo aconteceu. Quando ainda tinha os dois homens da transportadora a terminar de descarregar todas as 24 caixas no meu apartamento, estava eu já a adiantar serviço no quarto, a desembalar os componentes da cama. O estrado já estava encostado à parede, à espera que tudo o resto estivesse pronto para o receber... mas ele, inquieto, fez questão de assinalar a sua impaciência para esperar e caiu-me em cima da cabeça enquanto desembalava a cabeceira da cama. Bateu-me em cheio e com semelhante força que quando levei a mão à cabeça para massajar aquele galo iminente, encontrei na verdade já uma mini fonte de sangue. Sem deixar que os outros dois se apercebessem da minha "azelhice", lá os deixei ir embora assim que terminaram o trabalho - nem dois minutos depois do incidente - e saí então de casa em direcção ao (que pensava eu ser o) hospital.

A Dinamarca é já conhecida, pelo menos por alguns dos meus relatos, pelo seu não muito solarengo clima. Pois naquele dia estava um sol abrasador, lembrando perfeitamente um dia de Primavera em Portugal. Caminhei por uns 10 minutos até chegar ao edifício que eu sempre acreditei ser o hospital de Vejle. Entrei, dirigi-me à recepção, mas carregado já de dúvidas, perguntei: "Não é aqui o hospital, pois não?". A senhora por trás do balcão, claramente surpresa, respondeu prontamente que não. Pedi-lhe indicações de onde seria o verdadeiro e lá voltei a sair. As indicações foram algo vagas, mas nunca pensei que estivesse tão longe assim.

Eu sabia que se sentisse enjoos ou tonturas que a pancada podia ter sido mais grave, mas não era o caso. Sentia-me bem. Caminhei então mais um pouco. Entretanto, coloquei no Google Maps "Vejle sudhuset", o que me pareceu que a senhora tinha dito ao referir-se ao hospital. O Google Maps realmente deu-me um resultado e apesar de o nome não ser exactamente aquele, deixei-me ir... À medida que me aproximava, mais duvidas tinha de aquele seria o hospital. E de facto não passava de uma qualquer casa de espectáculos ou algum tipo de pavilhão polivalente.

Para não continuar à deriva por Vejle, em busca de socorro para a minha cabeça rachada, usei o Google Tradutor para descobrir como realmente escrever "hospital" em dinamarquês: "sygehus". Estava lá perto, apenas procurei inicialmente pela "casa do sul em Vejle" em vez de uma "casa de doentes"... lol

E onde ficava o hospital? Do lado completamente oposto ao local onde me encontrava em relação ao centro da cidade. E a prova disso é que para lá chegar, tive de passar por minha casa. Aproveitei para ir ao quarto de banho, porque estava apertado... E depois voltei então a sair, para finalmente chegar ao hospital, passada já quase uma meia hora de deambulação pela cidade.

Fui então atendido nas urgências, mas nada de mais... afinal não passava de um pequeno corte e um pouco de cola serviu para estancar o sangue. Voltei para casa e os trabalhos continuaram.



E foi este o resultado final depois de um dia inteiro de trabalhos forçados! Estava exausto no fim do dia, mas com uma satisfação enorme por finalmente ter a minha casa a parecer-se com uma casa de verdade...

Ainda há muito mais para contar... Fico por aqui por agora.

Até logo.

P.S. A minha mãe lembrou-me que esta na verdade não foi a primeira vez que "rachei" a cabeça, tendo essa sido quando ambos tivemos um acidente de carro quando eu tinha apenas 3 meses de vida. Mas dessa ocasião não me recordo! :)
Leia mais...

segunda-feira, março 26, 2012

[NEW LIFE] Day B175 - Tudo tem um propósito...

Hoje aconteceu algo tão aleatório e fantástico que se justifica completamente perder uns minutos para relatar como começou o meu dia - o segundo do meu 23º ano de vida.

Um pequeno parêntesis antes de avançar com os relatos: se bem se lembram, no último post "[NEW LIFE] Day B023 - Tempos de mudança", escrito há quase meio ano, mencionei que estava prestes a mudar-me para Vejle. Pois bem, cá estou eu a viver nesta bem mais movimentada cidade, sem saudade de Billund! :) E apenas amanhã receberei finalmente a primeira remessa de mobília enviada pelo meu pai de Portugal. Escreverei mais sobre isso depois, prometo!

Assim, vivendo em Vejle, a minha rotina mudou completamente em relação ao que eram os meus dias em Billund. Normalmente levanto-me por volta das 7h10 e às 7h57 estou a apanhar o autocarro para o trabalho. Hoje, porém, acordei apenas às 7h46. E por mero acaso! Acho que o despertador nunca chegou a tocar esta manhã... e tenho a forte impressão de que me esqueci completamente de o accionar ontem à noite.

Já nunca iria a tempo de apanhar o autocarro habitual, mas tinha ainda o das 8h25 que chegava apenas um quarto de hora mais tarde. Estava eu pronto às 8h10, sentei-me no computador para ver o mail - afinal tinha à vontade 5 minutos para isso. Quando dei por ela o relógio já marcava 8h22. O QUÊ?! 12 minutos literalmente voaram e eu nem tempo para piscar os olhos tive! Preciso de pelo menos 5 minutos para chegar, com passo já acelerado, à estação de autocarros, e tinha apenas 3 para calçar-me e sair de casa... nem valia a pena pensar mais no assunto, era o segundo autocarro perdido nesta manhã. 

Fiz por não perder o terceiro e saí de casa a horas! Entrei no 43 Billund, apenas uma rapariga lá dentro. Na verdade, foi uma viagem bastante solitária, o autocarro não teve mais do que 4 pessoas ao mesmo tempo... Sento-me sempre que possível na última fila - ou a "cozinha", como lhe chamávamos nos tempos de escola -, no canto do lado do motorista e hoje isso não foi excepção. Quase a chegar ao centro de Billund, onde saio todas as manhãs, reparei que havia um saco castanho na prateleira das malas. Olhei em volta e certifiquei-me que era o único passageiro ali dentro. Alguém se tinha esquecido daquela mochila...

Mas durante toda a viagem, em nenhum momento eu tinha reparado em alguém que se tivesse sentado tão próximo de mim ou que - muito menos - tivesse colocado aquele saco ali. É certo que durante grande parte do tempo vim de olhos fechados, a dormitar ao som de Awolnation, mas não deixei de ficar algo intrigado com aquilo. Naquele instante, estava já o meu subconsciente a matutar algo bem mais profundo.

Pensei então em levar a mochila até ao motorista para que depois ele tratasse de a levar aos perdidos e achados - ou então a proceder da forma que bem entendesse ou fosse sua obrigação numa situação daquelas. Mas foi aí que a "ficha caiu"!

Na semana anterior, o John, um colega meu irlandês que se senta exactamente ao meu lado, tinha perdido uma mochila num autocarro a vir de Aarhus para Billund. Contactou a empresa de transportes e fez tudo o que pôde para tentar reaver a mochila, mas sem obter qualquer pista do paradeiro da malfadada. Tinha estado fora naquele fim-de-semana a festejar St. Patrick's Day com alguns amigos Irlandeses em Aarhus e acabou por chegar a casa com menos uma mochila, por si só cara, roupas boas "de fim-de-semana" e mais uns acessórios nada agradáveis de perder, como carregador de telemóvel.

Aconteceu tudo muito depressa, em meros segundos arrisco dizer, mas estava ainda eu a pensar "não, não pode ser..." quando já as minhas mãos abriam o fecho principal da mochila para espreitar o interior. A primeira coisa que vi foi uma daquelas cartolas de tecido da carlsberg comemorativa do dia de St. Patrick. "Tás a gozar...", disse para mim mesmo. Depois, sabendo que ele também tinha o seu cartão de funcionário naquele saco que tinha perdido, tentei encontrá-lo no bolso da frente - parecia-me lógico que ele o teria ali. E lá estava ele! Aquela era mesmo a mochila do John perdida há uma semana!!!

Saí do autocarro a rir sozinho só de imaginar a cara dele quando lha entregasse! O rapaz nem queria acreditar! Demorou provavelmente mais tempo a reagir ao ver-me à sua frente com a mochila na mão do que os segundos que levei a processar todo aquele exercício mental que acabei de descrever à medida que identifiquei o tesouro perdido - sim, foi isso mesmo que senti que tinha encontrado!

Ficou prometido bolo aqui para o salteador de Autocarros, que encontra mochilas viajantes perdidas... :)
Leia mais...

domingo, março 18, 2012

[COVER] Fun - We Are Young

Eu sei, eu sei... já lá vai um bom tempo sem que eu escreva nada de jeito por aqui... Mas é mesmo assim! Há alturas na vida em que ou há muito pouco para se dizer ou simplesmente muito pouco que se possa dizer... Um dia quem sabe surgem aqui todas as palavras caladas nestes últimos meses.

No entretanto, ficam aqui outras, estas cantadas, nesta manhã de domingo... We Are Young, dos Fun, cantada por mim com arranjo a (quase) 4 vozes... :)


Diverti-me imenso a fazer os arranjos para esta música e especialmente a preparar os vídeos... Espero que gostem! ;)

Uma boa semana!
Leia mais...

quarta-feira, fevereiro 29, 2012

Há uma nova cara na família nam'it®!


A Pequena Sereia juntou-se à família nam'it® e os leilões desta edição especial de apenas 10 unidades já começou! Vejam aqui.

Mais informação em www.younamit.com!

Divulguem!
Leia mais...

terça-feira, fevereiro 07, 2012

[Jornal+] O meu mundo colorido... a preto e branco!

Na terceira edição do Jornal+ - um projecto recente e promissor "da minha terra" -, que saiu hoje, vem mais um artigo sobre mim. A entrevista foi feita por mail, com perguntas muito descontraídas e sobre um pouco de tudo o que tem sido a minha vida em termos de projectos profissionais e pessoais. Nas últimas semanas saíram outros dois artigos (VISÃO e P3), e provavelmente já começam a ficar fartos de ler sempre as mesmas coisas... mas este é o último artigo (até à data! eheh) a sair nos próximos tempos. Além disso, este tem a particularidade de tocar em mais assuntos que os anteriores - ou em mais detalhe pelo menos nalguns deles. Aconselho a leitura!


O mundo colorido de Marcos Bessa
Arménio Santos | acsantos.press@gmail.com    

A vida de Marcos Bessa é uma animação. Ele escreve, canta, lidera projectos solidários, faz teatro e, actualmente, trabalha na poderosa LEGO, com sede na Dinamarca. O jovem de 22 anos, natural de Vilela, Paredes, é um insatisfeito por natureza. Num dia tirou Engenharia no Porto, no outro estava a caminho do Norte da Europa para desenhar brinquedos para miúdos e graúdos. Diz que tem saudades do calor português e que os sonhos que tem por realizar não terão que esperar muito. O verdadeiro "One Man Show" e a sua luta por uma vida sem rotinas.


Fazer tudo ao mesmo tempo
Entre essas e outras coisas que vou fazendo, sim, cá vou encontrando tempo para comer e dormir... Como enquanto estou a fazer design "solidário" no computador, e durmo enquanto imagino enredos para os próximos livros. Brincadeiras à parte, claro que vou tendo tempo para tudo. Acho que o segredo - que não o é na verdade - está numa boa gestão de tempo (que honestamente já teve melhores dias!) e numa definição clara de prioridades.

Nunca está satisfeito
Sem dúvida. Sou naturalmente insatisfeito. Com tudo e sobretudo comigo mesmo. Sou uma pessoa que gosta de desafios e que se cansa depressa da rotina. Daí ter de estar sempre envolvido em projectos que de uma forma ou de outra estejam dependentes/ligados à criatividade. Nada nunca é igual... Uma nova história para um livro, um novo desenho para uma caneca, uma nova música, um novo personagem para interpretar, um novo set (=conjunto LEGO) para construir...

Os sonhos por realizar
Muitos! Se André não fosse o meu segundo nome, poderia perfeitamente chamar-me Marcos Sonhador. Mas posso destacar alguns como escrever um guião para um filme ou ver um dos meus livros adaptados para a grande tela, subir a um palco ao lado de Ruy de Carvalho, gravar num estúdio profissional (uma música que fosse), fazer cinema, ganhar um óscar, conhecer Amy Lee (vocalista dos Evanescence), ser pai...

Viver no frio da Dinamarca
Tem sido tolerável... para ser simpático! :) Sinto imensa falta do sol e das temperaturas em Portugal, como é óbvio. Mas acho que me adaptei razoavelmente bem. Continuo com o widget no canto superior do ecrã do meu computador no trabalho a mostrar diariamente as temperaturas em Billund e no Porto, só para comparar... e devo dizer que por 2 segundos durante o dia deprimo, mas depois olho em volta e tudo volta a fazer sentido! De qualquer maneira, acho que sempre fui uma pessoa de frio... prefiro o aconchego de um cobertor em frente a uma lareira do que o sol abrasador numa tarde de verão sufocante.

nam'it!
Um projecto com estes contornos - isto é, sendo de cariz solidário - é sempre uma aposta ganha na medida em que qualquer resultado obtido é já uma vitória e que se vai materializar num donativo. É obvio que adorava que o projecto chegasse a mais pessoas mais depressa, e que muito mais gente tivesse vontade de adquirir uma caneca nam'it e ajudar assim uma instituição de caridade (como é o caso da Make-A-Wish Portugal). Mas este é um projecto pessoal e para o qual tenho trabalhado sozinho nos meus tempos livres, portanto, soube sempre desde o princípio que o caminho não seria sempre fácil ou rápido até ao "sucesso", mas quem disse que teria de ser? Já mencionei que gosto de desafios... ;) De qualquer forma, posso dizer que o projecto teve um arranque modesto mas bastante razoável! Até agora, com 4 canecas lançadas em pouco mais de 3 meses, vendi cerca de 30 unidades.

O olhar dos pais
Tendo eles vivido comigo debaixo do mesmo tecto durante mais de 21 anos, diria que outro remédio não teriam eles que não fosse o de me conhecer minimamente. Dito isto, acho que não foi com grande surpresa que eles viram o filho mais velho sair de casa para viver um sonho num país a 3000 km de distância. Sempre souberam que eu ia voar para algum lado...

O amor à literatura
Confesso que estive parado em relação aos meus livros durante bastante tempo. Tenho um segundo romance terminado - "O Espelho da Alma" - há já uma série de anos (desde 2008 pelo menos), mas não surgiu oportunidade de o publicar. Entretanto comecei um novo livro - "a.m.o.t.e." - que está a 60 ou 70% e que pretendo terminar ainda este ano. Curiosamente esta semana comecei a trabalhar novamente nesta área. Estou a rever novamente o meu primeiro romance para o publicar numa edição digital, com conteúdo exclusivo e inédito. Espero que 2012 seja um ano de novidades nesta área... acredito que será!

E onde fica a música? (Pergunta original: Normalmente alias os gostos pessoais com a carreira profissional. Quer isto dizer que um dia ainda podemos ouvir um álbum de música assinado por ti?)
Um disco completo não sei, mas algumas "brincadeiras" mais a sério... espero bem que sim! Como disse mais acima, adoraria um dia entrar em estúdio e gravar algumas coisas... sobretudo pela experiência em si! Quem sabe um dia! :)

Estar longe
O Facebook tornou-se num dos meus melhores amigos. Mantém-me irrefutavelmente ligado ao mundo que deixei para trás... e tenho a certeza que não seria capaz de estar a viver esta fase da minha vida se não fosse pela Internet! Sempre fui muito apegado à minha família e custa-me sempre imenso despedir-me deles quando tenho de voltar para "casa". Sempre que estou em Portugal, os últimos dias já são mais duros... sofro por antecipação!

Daqui a dez anos...
Honestamente, duvido que ainda esteja a trabalhar para a LEGO... pela simples razão que também aqui a minha "missão" chegará a um fim um dia. Seja a fazer o que for, espero estar tão ou mais satisfeito com a minha vida quanto estou hoje! :)

*

Se quiserem ler o jornal em formato físico, levantem a vossa cópia gratuita num dos pontos de distribuição abaixo indicados:

Paredes: Jolima, Farmácia Ruão, Galp, Óptica Nova, Invictus, Princesinha e Sabores do Tempo;
Paços de Ferreira: Ferrara Plaza, King, Celeste, D'Sandes e Casa do Café.

Até logo.
Leia mais...

sábado, fevereiro 04, 2012

[Entrevista] P3 - "O trabalho dele é brincar com LEGO"


Hoje foi publicado na página P3 uma entrevista que me fizeram há poucos dias por email. Podem lê-la aqui.

Não tem nada de novo, acho eu, mas se estiverem curiosos, dêem uma vista de olhos! :)

Até logo.
Leia mais...

segunda-feira, janeiro 23, 2012

A MATILHA anda à solta... atreve-te a ouvir!

Já não me recordo do ano - talvez em 2005 ou 2006 - conheci os Tragic Comic, uma banda portuguesa de rock progressivo com um único álbum editado até à data: Welcome To My Show (poderiam aceder ao link para fazer download gratuito do álbum no myspace da banda, se o MegaUpload não tivesse sido fechado).

Tive oportunidade de assistir a um concerto muito intimista com eles, ainda na altura em que a Diana Abreu partilhava o micro com o Né - actual único vocalista. Conheci-os a todos, os sete membros da uma banda original, apaixonada e esforçada. Infelizmente até hoje a banda não apresentou qualquer novidade, embora não faça ainda muito tempo que as minhas fontes me tenham informado que novidades estariam para breve...


No entretanto, estes músicos não têm estado parados! Com vários projectos paralelos, vidas profissionais e pessoais à mistura, 4 dos membros originais dos Tragic formam uma outra banda de rock português, com um som muito próprio e que vale a pena experimentar: a Matilha.

"Andar Perdido", abre uma experiência musical de qualidade composta por 11 faixas e é o primeiro single do álbum de estreia - "Andar Perdido É Uma Conversa".



O video está bastante simples, mas de qualidade. Nem sempre as coisas mais elaboradas são as melhores. A banda convidou os seus fãs para aparecerem sobre a passadeira rolante, caminhando infinitamente, e eu tê-lo-ia feito com todo o gosto se tivesse tido oportunidade de aparecer no dia das gravações!

Sim, sou um fã da banda!

Já tenho o CD há alguns meses e volta e meia ouço-o no meu computador enquanto trabalho ou no telemóvel. Sou consumidor de vários tipos de música e se há algo que vou tentando manter no meu "iTunes" é uma boa dose de música portuguesa. Desde Rita Guerra, a The Gift, passando por Amor Electro, David Fonseca, Susana Felix, e até Adelaide Ferreira se o ouvido pedir... Matilha está lá também!

O som desta banda é bastante característico, muito em parte porque apesar de "rockeiros" se despiram das típicas e tradicionais guitarras eléctricas neste género. Em todo o álbum, apenas "Só Mais Uma Vez" dá a ouvir uma guitarra tocada por um músico convidado. De resto, é o piano, o baixo e a bateria que dominam e preenchem os sons uivantes dos "rafeiros" Ozzy, Indie, Patrão e Né.

A minha faixa favorita do álbum? Além do single, gosto particularmente da letra de Anjo Negro, da agressividade de "Só Mais Uma Vez", da inesperabilidade de "A Manuela Deixou de Aparecer" e estou viciado na simplicidade viciante de "Piéce de Resistence".

Definitivamente aconselho a ouvirem o álbum! E comprem-no também! Apoiem o que é Português, mas sobretudo o que é bom!

Até logo.
Leia mais...

Entrevista na VISÃO

Na última edição da revista VISÃO foi publicada uma entrevista à qual tive oportunidade de responder quando estive em Portugal no Natal passado.

O título desta edição é "Trabalhos Forçados" e não deixa de ser irónico, como já me foi apontado por uma série de conhecidos (e até alguns menos conhecidos), que a minha entrevista seja justamente sobre a experiência de ter um "trabalho de sonho".

Tenho noção que sou um privilegiado em termos profissionais - embora não deixe de acreditar que trabalhei para chegar onde estou -, e ainda por cima tendo conhecimento do estado do nosso adorado país "à beira mar plantado", mas espero que este bocadinho da minha história possa inspirar alguém mais desanimado ou descontente com o rumo que a sua vida profissional possa estar a tomar. Afinal de contas eu também estava desanimado com o meu próprio rumo, à medida que me aproximava da conclusão do primeiro ciclo dos meus estudos superiores. Mas acreditar é a palavra chave! Ainda há sonhos que se realizam... ;)


Num artigo de mais de uma página, podem ler então um pouco sobre a minha experiência na Dinamarca enquanto LEGO Designer. Página 80, para quem tiver curiosidade! ;)

Até logo.
Leia mais...

domingo, janeiro 01, 2012

Bom 2012!

E é assim... tudo o que é bom acaba depressa... passa rápido... 2011 já lá vai! 2012 está aí... e vai ser O Ano!

Deixo-vos a minha mensagem de última hora publicada ontem pouco antes do jantar com a minha família:


Até logo.
Leia mais...
Este blogue pertence a Marcos Bessa, eu próprio, e tudo o que aqui escrevo diz respeito apenas e só à minha opinião pessoal ou visão dos mais variados assuntos do quotidiano e não pode ser jamais confundido com a opinião, ideologia ou ponto de vista de qualquer outra entidade que possa estar ligada a mim, como seja a empresa que me emprega neste momento: LEGO System A/S.
Todo o conteúdo original deste blog não pode ser copiado, seja integral ou parcialmente, sem a devida referência à sua origem e um link para a mesma.
Todos os comentários publicados são da total responsabilidade dos seus autores.
Este blogue não tem qualquer apoio ou ligação com qualquer empresa aqui mencionada.